Sonha... Ana Fonseca









Esquecido de um tempo
Sobranceiro ao fim
Perde-se nas miragens
de um sonho
que antes de o ser já era
e soluça perdido
por entre as nuvens que o abraçam
o aconchegam

Entrega-se extenuado
Ao branco e fofo abraço
Que o deixa leve e abandonado
Que lhe relembra o sonho
Esquecido
E no tempo perdurado

Porque o atormentam
as memórias vívidas
do que não tem tempo?

Resigna-se e no manto
Esculpe lágrimas
Dissolve enganos que tece
Como palavras

Ficciona e perdido na página
Mergulha nos arbustos das letras
Sem horizonte mas com margens

Sonha…

Nenhum comentário:

Postar um comentário